Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on email
Share on twitter

Menina desaparecida em Viseu é encontrada morta em área rural do município

A pequena Ravyla Dagila de Sousa | Foto: Arquivo Pessoal
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Foi encontrada sem vida, na manhã desta sexta-feira (25), a pequena Ravyla Dagila de Sousa, de apenas 10 anos, que desapareceu na última segunda-feira (21), em Viseu, no nordeste paraense. O corpo foi achado por populares em uma área rural da cidade, chamada Porto Grande. A informação foi confirmada pelo Núcleo Avançado do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC) de Bragança, que foi acionado para fazer a remoção do cadáver e perícia no local do crime. As informações são de O Liberal.

O caso mobilizou populares e autoridades policiais. O principal suspeito de cometer o crime é um vendedor de sabonete, que estava hospedado em um hotel na cidade do nordeste paraense. Segundo as investigações, ele foi o último a ser visto com a menina. Ele está foragido e continua sendo procurado pelas autoridades policiais.

Em um dos depoimentos colhidos, uma adolescente relatou aos agentes que foi assediada pela mesma pessoa, com palavras de baixo calão. A partir das provas, a PC, então, representou pela prisão temporária do homem e um mandado de prisão foi expedido pela Justiça.

Na noite desta quinta-feira (24), familiares, amigos e moradores do município saíram às ruas em uma manifestação pacífica para cobrar das autoridades policiais mais agilidade nas investigações.

Relembre o caso

A pequena Ravyla desapareceu na manhã de segunda-feira (21), após ir a uma feira que fica perto da casa da família para comprar cheiro-verde e alguns outros itens. Depois de algum tempo, a mãe da criança estranhou o fato de ela não ter voltado para casa e saiu à procura da criança.

Moradores disseram que a garota foi vista conversando na feira com um vendedor de produtos faciais, pouco antes de desaparecer. Esse vendedor, inclusive, teria sido detido em um hotel da cidade em posse de um veículo prata, com placa de Belém, mas depois teria sido liberado por insuficiência de provas do envolvimento com o sumiço da menina.