Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on email
Share on twitter

Incêndio no aterro sanitário revela drama da poluição atmosférica em Marabá

Os grupos que mais sofrem são os idosos e as crianças, pois a inalação da fumaça pode provocar infecção do sistema respiratório, por exemplo
Captura de tela mostra equipes trabalhando na contenção do incêndio no aterro sanitário municipal | Foto: Reprodução
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Na região sudeste do Pará, os meses de julho, agosto e setembro são notadamente marcados pela elevação nas temperaturas devido à diminuição na precipitação e ao clima mais seco. Consequentemente, ocorre o aumento no número de queimadas nas zonas rural e urbana, causando incomodo à comunidade pela poluição atmosférica, riscos de incêndio e destruição da fauna e flora. Em Marabá, equipes de Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Exército Brasileiro, Secretaria de Viação e Obras Públicas, Secretaria de Meio Ambiente e Serviço de Saneamento Ambiental estão tendo bastante trabalho para conter um incêndio misterioso no aterro sanitário da cidade. O drama já dura quatro dias, mas foi na noite desta terça-feira (27) que ficou mais aparente, levando centenas de moradores para as redes sociais.

Atear fogo no lixo, em restos de poda ou roçagem, e em terrenos ou espaços vazios com muito mato é uma prática comum dos moradores em Marabá. Os grupos que mais sofrem são os idosos e as crianças, pois a inalação da fumaça pode provocar infecção do sistema respiratório, asma e bronquite; irritação nos olhos, nariz e garganta; tosse; falta de ar; vermelhidão e alergia na pele; conjuntivite e distúrbios cardiovasculares.

Na Central do Disque-Denúncia Sudeste do Pará, no período de 1º de janeiro a 28 de julho deste ano, foram registradas 65 denúncias sobre queimadas no município de Marabá. Os bairros mais denunciados são Nova Marabá (46%), Vale do Itacaiunas (8%), Bom Planalto (5%), Residencial Morumbi (5%) e Velha Marabá (5%).

Com o aumento nos números de denúncias de queimadas em Marabá, o Programa Linha Verde (criado pelo Disque-Denúncia para se fortalecer como canal para o recebimento de denúncias sobre crimes ambientais) intensifica as campanhas com objetivo de conscientizar a população sobre os danos que essa ação causa ao meio ambiente e à saúde da população.

Para denunciar anonimamente, a população pode entrar em contato com o Linha Verde por meio do telefone fixo e WhatsApp (94) 3312-3350, ou pelo aplicativo do Disque-Denúncia Sudeste do Pará, disponível para iOS e Android.

O Disque-Denúncia pede para a população que, além de indicar o local do foco das queimadas, é importante citar o nome da pessoa que provocou o incêndio. Caso seja comprovada a culpa do indivíduo, o incendiário pode responder na forma da lei. (Vinícius Soares, com informações do Disque-Denúncia Sudeste do Pará)

Foto: Divulgação