Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on email
Share on twitter

Brasileiros sonham com sexo pelo menos uma vez na semana

Tem quem queira a semana toda e quem prefira de 15 em 15 dias, segundo levantamento da plataforma Omens
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

De acordo com uma pesquisa encomendada pela plataforma de urologistas Omens ao Instituto Datafolha, o brasileiro deseja ter relações sexuais pelo menos uma vez na semana, como revelaram 79% dos entrevistados, que afirmam que o desejo vem em sonho, independente do número de relações que tenha ao longo da semana. A pesquisa também aponta alguns traços do comportamento sexual do brasileiro seja na prática, ou do que gostaria de viver.

Enquanto 14% dos entrevistados faria sexo todos os dias da semana, se pudesse, outros 28% dos entrevistados considera que a frequencia ideal é uma a duas vezes por semana; enquanto para outros 38%, três ou mais vezes seria o ideal. O urologista João Brunhara explica que “O diferencial dos resultados, foi que a comparação entre os índices dos homens e das mulheres se mostrou mais próxima. Assim, contraria um mito de que homens e mulheres têm um desejo de relações sexuais muito diferente”, cita.

João comenta que o fato de a grande maioria dos entrevistados, quase 70%, querer ter relações algumas vezes por semana revela que “É uma periodicidade bastante factível na vida da maioria dos casais. Mas existem também os extremos que chamam a atenção: quase 15% gostariam de ter relações todos os dias”, alerta.

Para a sexóloga Michelle Sampaio, é importante pensarmos que a vida sexual acompanha também a rotina das pessoas: “Apesar do desejo de uma porcentagem em ter relações todos os dias, não necessariamente isto se torna possível. E cada vez mais vamos observando que casais que se consideram satisfeitos com sua vida sexual nem sempre relacionam isto a frequência, mas sim a qualidade da interação sexual entre eles”, detalha. Porém, os especialistas destacam que a frequencia ideal deve ser definida com o que deixa cada casal mais confortável. (Com Metrópoles)