Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on email
Share on twitter

Moradores recebem atendimento médico após explosão em mineradora no Pará

Prefeitura de Barcarena notificou empresa para apresentar plano de contingência e laudo de qualidade do ar. Local do incêndio foi vistoriado para avaliar se houve danos ambientais
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Ao menos 30 moradores de Vila do Conde em Barcarena, no nordeste do Pará, receberam atendimento médico após um incêndio no galpão da mineradora Imerys na noite de segunda (6).

Eles inalaram fumaça e apresentaram sintomas leves a moderados de desconforto respiratório. Na manhã desta terça-feira (7), não havia moradores internados, conforme a prefeitura.

O incêndio em hidrosulfito de sódio, segundo os bombeiros, começou às 20h e foi controlado por volta da 0h desta terça com utilização de água. Não houve feridos.

A Prefeitura de Barcarena notificou a mineradora para que apresente Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), plano de contingência da empresa e o laudo da qualidade do ar. Não foi informado prazo para entrega dessa documentação.

Nesta terça-feira, uma vistoria de fiscais da Secretaria estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) ocorria no local “para vistoriar o empreendimento e avaliar os possíveis danos ambientais”. Até as 11h, essa vistoria continuava com participação de autoridades da região.

Segundo a empresa, Imerys, as causas do “foco de incêndio em um dos galpões da planta de beneficiamento da empresa” são apuradas.

Galpão de empresa no Pará onde ocorreu incêndio no Pará — Foto: TV Liberal/Reprodução
Galpão de empresa no Pará onde ocorreu incêndio no Pará — Foto: Reprodução

A comunidade ficou tomada de uma fumaça branca, conforme os moradores, que relataram também ardência nos olhos e coceira na pele, além de desconforto respiratório.

Segundo a prefeitura de Barcarena, a unidade pronto atendimento (UPA) da cidade está preparada para caso mais moradores precisem de atendimento médico.

Até as 10h30, a empresa, os bombeiros e as Secretarias de saúde municipal e estadual não confirmaram se a fumaça branca com odor de enxofre é prejudicial à saúde. Questionada pelo g1, a mineradora não informou quais produtos estavam armazenados no galpão onde ocorreu o incêndio. (Com G1 Pará)